sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O primeiro




- Conte-me.

É algo no jeito que ele me olha, algo no modo dele ‘brincar’ com os cabelos...

Eu não sei, não sei o que é isso! Acho que estou doente!

Ele me pergunta por que eu estou estranha, e eu nada respondo. Fico entretida demais com os movimentos dos seus lábios pra pensar em uma resposta inteligente o suficiente que explique o motivo de eu estar o evitando.

Eu não sei! Não era assim antes. Nós nos víamos todos os dias, brincávamos ,compartilhávamos segredos... mas, tudo ficou diferente! Ao menos para mim. Eu não sinto mais vontade de fazer aquelas coisas de criança, só que quero continuar ao lado dele, quero a sua companhia.

Ao menor sinal de seu toque em minha pele, os meus batimentos aceleram, minha respiração fica pesada. No tardar da noite, meus sonhos já não são meus e ele se torna personagem fixo das tramas boladas por minha imaginação, que já não é mais tão infantil.

-Estas apaixonada, querida!

Será mesmo? Será que pela primeira vez eu estou gostando de alguém? Bom, isso explicaria o fato de ter deixado minhas bonecas de lado e ter abandonado as travessuras imaturas... Mas, uma coisa não faz sentido. Eu deveria estar extasiada, nas nuvens! Não é assim que se sentem os apaixonados? Então, por que é que tudo que eu sinto é medo?

-Medo de que?Como assim?

Eu tenho medo quando ele se aproxima, e tenho medo quando vai embora. Medo quando ele olha em meus olhos, medo quando ele olha nos olhos de outras. Estou doente, não estou? Estou ficando maluca?!

- Não filha, isso é completamente normal. Insegurança, ciúmes... tudo isso faz parte do amor.

Estou nervosa mãe. Eu não sei amar, quer dizer, não sei como é! Vai doer?

-Há uma grande possibilidade, meu anjo. Só que no fundo, isso não tem grande importância.

Então, você acha que eu devo contar pra ele o que estou sentindo? E se ele me fizer chorar?

-E se ele te fizer sorrir? E se ele te fizer sentir-se a garota mais linda do mundo? E se ele te proteger do que há lá fora? E se ele pegar na sua mão e você sentir que não precisa de mais nada? E se?

Eu não vou saber, não é? se não correr o risco?

***

Obs: tema sugerido pelo autor do blog: Rimas do preto. Recomendo *-*

Obs²: história fictícia

Obs³:Sugiram novos temas pra outros contos ou poesias :D

4 comentários:

  1. Ai que liiiiiiiiiindo *-*
    Quase choro ao ler a agonia da pobre menina. =)
    O mais engraçado é que isso, essa agonia, esse medo, não é só no primeiro amor... Não é? ^^
    é uma loucura mesmo.
    Muito bom amiga *-*
    Amei! :D
    Vc viu os selos que deixei pra tuuu? :D

    ResponderExcluir
  2. Olá e ai tudo bem?
    Nossa,adorei o texto.
    Me lembro bem do meu primeiro amor.Eram tantas duvidas....

    Bom,tem uma menina que eu gosto muito só que ela vai embora e não consigo fazer uma poesia ou um texto pra ela .Se voce conseguir e postar,fica a dica :D

    RIMAS DO PRETO

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. aaa adoreeeeeeeeeeei meesmo se nn foor encomodar passa la no meu blog? tem uma postagem nova www.natpaty.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, chamo-me Otávio, adorei seu texto, muito bom mesmo. Venho Também divulgar meu blog 'Surfista de Banzeiro' como amostra dele eu queria lhe mostrar esse poema que fiz rescentemente http://otaviomsilva.blogspot.com/2010/12/oi.html . Forte Abraço, Até.

    ResponderExcluir